Home » Destaque » Covid: governadora nos EUA dará aulas por falta de profissionais

Novo México é um dos estados norte-americanos mais afetados pelo aumento de casos causados pela variante Ômicron

A governadora do Estado do Novo México, no oeste dos Estados Unidos, se ofereceu para dar aulas como professora substituta em meio à escassez de pessoal nas escolas americanas por causa do aumento de casos da variante Ômicron de Covid-19.

Michelle Lujan Grisham, originalmente formada em direito e do partido Democrata, começou a dar aulas em uma escola pública nesta quarta-feira (26), informou o escritório da governadora.

A ação se insere na iniciativa “Apoiando Professores e Famílias”, lançada por Lujan Grisham na semana passada, para enfrentar a falta de pessoal em escolas e creches do Novo México, em meio ao ressurgimento da pandemia.

“Nossas escolas são uma fonte crítica de estabilidade para nossas crianças, sabemos que eles aprendem melhor na sala de aula e prosperam quando estão entre os seus companheiros”, disse a governadora no comunicado em que anunciou o programa.

Com a chegada da variante Ômicron, os Estados Unidos enfrentam uma disparada de casos que tem reflexos na força de trabalho no país. Quase 5 milhões de diagnósticos positivos foram confirmados nos últimos sete dias, segundo as autoridades sanitárias, sendo o Novo México um dos estados com maior número de novos contágios em termos proporcionais.

Quase metade dos distritos escolares do estado foram forçados a voltar às aulas virtuais nas últimas semanas, com professores e membros da equipe acadêmica obrigados a ficar em isolamento em caso de infecção ou contato com alguém que testou positivo para Covid.

Lujan Grisham quer “incentivar” os que cumprem com os requisitos a se inscrever no programa para que sejam certificados como professores substitutos, “mantendo as escolas do Novo México abertas de forma segura”.

Para isso, os candidatos precisam ser maiores de idade e ter um diploma universitário, além de se submeter a uma checagem de antecedentes criminais.

Com amplo acesso às vacinas, a sociedade americana está dividida sobre manter ou não as escolas abertas com o agravamento da pandemia, assim como acontece em relação às vacinas e à adoção de medidas de proteção contra o vírus.

 

Fonte: R7, por AFP

Foto: OLIVIER DOULIERY/AFP – 26.1.2022

Eu Quero a Record TV